Expedição ao Delta do S.Francisco

O Rio São Francisco é um importante curso d’água brasileiro e considerado como o rio de integração nacional, já que nasce no estado de Minhas Gerais e desemboca no Oceano Atlântico na divisa entre os estados de Sergipe e Alagoas. Durante os mais de 2800km de seu curso banha inúmeras cidades dos estados de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas.  Além de toda importância social, o “Velho Chico”, como o rio é chamado carinhosamente pelas populações ribeirinhas apresenta aspectos geológicos e sedimentares importantes. 

Untitled4

Um dos episódios mais curiosos trata-se da destruição da antiga Vila do Cabeço que se situava próxima a foz do Rio e que sucumbiu à força das águas do mar. O antigo Farol do Cabeço (que antes era em terra) ainda se encontra lá como testemunha da dinâmica existente na foz do rio. Entretanto esta  parcialmente coberto pelas águas. 

Levantamento com georadar

Untitled3

PERFILADOR DE SUB-FUNDO

Untitled1

Em janeiro e fevereiro de 2012 integrantes do LEC (Laboratório de Estudos Costeiros) realizaram um levantamento de campo do delta do rio São Francisco para melhor compreender a dinâmica desse delta. Foi realizado um levantamento utilizando-se um GPR (Ground-Penetrating Radar) que é um radar de penetração no solo, usado na aquisição de dados em áreas emersas.

Também houve coleta de amostras de sedimento superficial realizada nos últimos 15 km do Rio, onde foi usada um busca fundo. O levantamento dos dados se extendeu até o pro-delta do rio São Francisco onde foram realizados levantamentos sísmicos de alta resolução com um perfilador de sub-fundo (Sub-Bottom Profiler). Além disto foram realizados mergulhos para a obtenção de testemunhos dos sedimentos prodeltáicos.

TEStemunhos coletados

Untitled2

Ao todo a campanha durou 20 dias, sendo 15 dias em janeiro e 5 dias em fevereiro. Período no qual pudemos experimentar a importância do trabalho de campo e, sobretudo da necessidade de um bom planejamento de campo. E o quão é imprescindível a perseverança do pesquisador pois nem sempre as condições de trabalho são ideais ou até mesmo adequadas.      


                     

                                                                              Marcelo Caetano e Adeylan Nascimento